sexta-feira, 18 de abril de 2014

quinta-feira, 17 de abril de 2014

segunda-feira, 7 de maio de 2012



















Minha Amada Mãe

 




Mãe! Confesso-te minha realidade

Sofrendo a dor da solidão e saudade

Do amor sincero que só você me deu.

Ao partires restou-me apenas agonia

Vagando sem destino em noite fria

Sentindo falta do calor do abraço teu.



O mundo que deixaste está diferente

Sem tuas preces fiquei só e carente

Pois tua meiga voz não mais ouvia.

A solidariedade hoje quase não existe

O jardim que cultivaste está mais triste

Sem a rosa que ao te ver feliz sorria.



Mãe! Quis ser teu verdadeiro seguidor

Tentando dar e receber maior amor

Agora sei que igual ao teu jamais terei.

Lembro-me quando tu me abençoavas

E aos pés do altar por mim tanto rogavas

Sendo do teu coração o amado Rei.



Contigo aprendi o valor da humildade

A ser sincero e viver com honestidade

Não decepcionar a quem em mim confia.

Amando a todos sem qualquer distinção

Transformando cada amigo em um irmão

Abominando toda falsidade e covardia.



Mãe! Não te perdi e jamais vou perder

Se assim te vejo em cada belo amanhecer

Nos raios de sol que minh'alma ilumina,

Nos anjos que me protegem noite e dia,

Nos pássaros que cantam linda sinfonia,

Na floresta verdejante que me fascina.



Vejo-te onde está presente a bondade

Nas atitudes de compaixão e caridade

No altruísmo que nos eleva ao infinito

Na fé que renova o valor da esperança

No sorriso sublime e sincero da criança

Na liberdade que clama o coração aflito.



Mãe! Tu és minha estrela abençoada

A luz radiosa que ilumina minha estrada

Farol que me orienta em noite escura.

Pensar em ti é voltar a ser um menino

Sem temor do que me espera o destino

Sem pensar em sofrimento e amargura.



Perdoa-me se demorei a te escrever

Uma poesia que agora faço com prazer

A emoção estava de mais me sufocando.

Mãe tão maravilhosa que amo tanto

Roga a Deus que enxugue meu pranto

De saudade outra vez estou chorando.




Dedicado a minha querida e saudosa mãe.


Honorina R. Falcão


1914 – 2003


Falcão S.R – Rio de Janeiro – RJ


www.luzdapoesia.com